Sobre banheiros e escolhas

Posso compreender os protestos provocados pelas obras de construção de um conjunto de banheiros químicos sobre as areias da praia do Laranjal. Está certo que eram necessários banheiros públicos na praia, um pleito de décadas - isso não se discute. A carência era tanta que há anos assistimos a uma cena surrealista no shopping Mar de Dentro: cobram dinheiro de pessoas necessitadas de um mero pipi para dar passagem ao banheiro local. Se for o mesmo, o porteiro tem uma expressão triste. Ele pega o ingresso e autoriza a entrada por uma roleta improvisada, o último obstáculo para as bexigas explodindo ou urgências maiores. Sempre achei esse nicho de mercado um símbolo da falta de oportunidades em Pelotas. Algumas vezes, de maldade, fiz questão de apertar a mão do porteiro na saída do banheiro, só para "retribuir a gentileza".

O que chocou as pessoas que protestaram contra o banheirão do prefeito Fetter Jr. (PP), e a mim, é a boçalidade na escolha do local de instalação - sobre a areia da praia. Trata-se de um ponto evidentemente inapropriado, por razões ambientais, mas também estéticas e turísticas, já que privará, se o Ministério Público não embargar a obra, a visão hoje plena da praia. Quem mora em frente vai ter inclusive prejuízos imobiliários, pois as residências devem sofrer desvalorização.

Um morador pelo menos já amarga esse prejuízo. Ele acabou de comprar um imóvel de um membro da família Fetter (a mesma do prefeito). Para surpresa e desgosto dele, as obras começaram logo depois que o negócio foi consumado.

Por um lado, a escolha do local da obra é 'coerente'. Nada mais adequado a um prefeito que tem sido cúmplice de primeira hora da absurda ocupação irregular dos espaços públicos da cidade, inclusive da própria praia, por comerciantes ilegais instalados impunemente com seus quiosques, carrocinhas e treilers.

Perdoe-me a palavra, mas a decisão de construir banheiro sobre a areia da praia apenas reflete a bagunça em que transformaram a cidade, algo que explica também a presença há anos, no Parque Dom Antônio Zattera, de um comerciante particular que explora um velho parque de diversões amontoado sobre os canteiros.

Do meu lado, e por certo de muita gente, incomoda constatar que o prefeito de uma cidade que se orgulha da "beleza de seus prédios históricos", que se jacta de seu patrimônio intelectual e artístico, faça escolhas que privilegiem o feio ao invés do belo, em sentido amplo. Por que é isso que Pelotas em grande parte virou, uma cidade feia, esteticamente falando, com inúmeros sinais de anacronismos agredindo a visão e a sensibilidade das pessoas, ao despertar a percepção de abandono, de vale-tudo.

Em Pelotas, tudo "vai de qualquer jeito". Não é à toa que a Câmara está para votar um Código de Posturas. Está fazendo falta mesmo, embora tenhamos chegado a um ponto aparentemente difícil de retornar, a começar pelos próprios vereadores.

A mesma lógica que comandou - outro exemplo - o desenho lamentável da nossa rodoviária preside agora a escolha do local de construção dos banheiros. Olhos sensíveis se ofendem, com razão, ao ver a desenvoltura boçal de uma prefeitura que não se preocupa sequer com itens elementares, como o que os olhos dos cidadãos são obrigados a captar - e 'lembrar'.

Conversei com alguns arquitetos e todos me dizem que haveria outras alternativas práticas e mais bonitas do que os banheiros-monstros. Poderiam utilizar, por exemplo, vários pequenos banheiros móveis, a exemplo daqueles trocadores de roupas, no formato de cabines telefônicas, que se via em balneários de filmes antigos. Peças inclusive "bonitas de ser ver", integradas à paisagem.

Seria uma solução mais simples e até mais barata. Contudo, certamente menos 'vistosa', com menos perenidade e 'apelo eleitoral' do que o banheirão do prefeito encalhado na praia como uma baleia morta.

Por suposição, acho difícil que o banheirão este (se for construído mesmo) ajude a primeira-dama Leila Fetter a se eleger deputada estadual. Já outros devem achar que sim. Sei lá. Em Pelotas tudo é possível, até definir o voto puxando a descarga, agradecido ao poder público por fazer xixi em comunidade sem ter de pagar ingresso nem passar na roleta com a bexiga explodindo.

22 comentários:

Rafael disse...

Alô Ministério Público! Pedimos providências urgentes para embargar a construção absurda do banheirão naquele local. Afinal, é evidente que a obra está sendo feita em local inapropriado tanto do ponto de vista ambiental quanto do estético. A obra, cedo ou tarde será embargada. Mas quanto mais tarde, mais dinheiro público vai pelo ralo(com o perdão do trocadilho).

Anônimo disse...

Geralmente compram e depois fazem obras próximas para valorizar o bem adquirido. Nesta, podem ter vendido antes de vir a obra e desvalorizar. Será que quem vendeu sabia?

Anônimo disse...

Por que não aproveitam as construções já existentes,onde hoje funcionam bares e RESIDÊNCIAS,para construir os banheiros,até porque em todos eles já existem estas instalações,irregulares é claro.

Adeni Renato disse...

A necessidade do banheiro é indiscutível, mas sua localização não.Acho o Código de Posturas perda de tempo. Por que? Óbvio que a Prefeitura não vai fiscalizar seu não cumprimento. Fiscalização é sinônimo de gol contra para os políticos que fazem de tudo, mesmo irregularidades, para ganhar (ou "comprar") os votos dos eleitores. Acho que deveríamos dar o troco, não votando em candidatos próximos ao Prefeito.

Anônimo disse...

A necessidade de banheiros é inquestionável.
O projeto foi encaminhado desde o ano passado, assim como a licitação. Tudo público e publicado.
Quando a obra finalmente sai, aí é que vão querer reclamar?
Não será principalmente porque está acontecendo, ao contrário de outros governos, que ficavam só na intenção e não faziam?

Glenda Dimuro disse...

Nessas horas me pergunto onde andam os arquitetos que trabalham na Prefeitura e qual o seu verdadeiro "papel" em projetos do tipo.

Na minha opinião, melhor que propor alternativas mais "estéticas", deveriam ser as alternativas mais "coerentes", embora uma coisa não tem porque excluir a outra. O anônimo das 20:01 tem razão quando diz que deveriam ser utilizadas estruturas existentes. O Laranjal está cheio de imóveis e terrenos vazios e que merecem ter outra função, menos ociosa... Mas está claro que ocupar o espaço público sai mais barato que comprar um imóvel ou um terreno privado.

O mesmo espaço dos banheiros poderia servir como ponto de informações turísticas, só para citar um exemplo. Mas isso parece que já seria pedir muito para uma administração caracterizada por atitudes imediatistas e completamente sem visão de futuro.

Numa praia da extensão do Laranjal seriam necessários, pelo menos, uns 4 ou 5 aliens do tipo. Alguém sabe se está prevista a construção em outros pontos ou será necessário percorrer alguns km até encontrar o tal banheiro público?

Anônimo disse...

Me parece oportuno que neste momento o MP, a Camara de Vereadores, a Associaçao de Moradores do Laranjal, enfim a sociedade civil organizada e a não organizada discutir e principalmente intervir nos descaminhos tomados pela ocupação desordenada do balneário e outros problemas levantados pelos Amigos. Cabe lembrar que preservar, manter e promover melhorias no balneário é interesse de todos os Peloteses, incluisive aqueles que sequer frequentam a praia, por se tratar de um patrimonio turistico e ambiental sem comparações. Falta reconhecimento da cidade pelo privilegio de ser banhada pela Lagoa dos Patos, ter acesso as belezas e riquesas desta paisagem majestosa.
Gente, é preciso lutar para manter e dar mais qualidade a um patrimônio de todos.

Anônimo disse...

e o tal do PODEROSO, que construiu uma casa no quiosque c/ lareira, churrasq, etc. e mora ali c/ a família...quer lugar melhor p/ morar???????

Anônimo disse...

Há políticos que gostam de colocar suas obras (no caso escatológicas) na frente de paisagens bonitas.
Se fetter fosse prefeito do Rio, certamente não se veria mais o Corcovado.

Anônimo disse...

Se sobrar dinheiro para mais um banheiro, poderiam construir na esquina da Barão de Butui com Barroso, em frente ao INSS.
Alí também não tem benheiros e sempre tem muita frequência.

Anônimo disse...

Para o laranjal progredir há necessidade de duas coisas : O Fetter sair logo do governo e o povo não eleger o Marroni , ai o que vier é lucro. Desconfie quem defende um ou outro é por interesse próprio.

Anônimo disse...

A Glenda disse tudo.
Alguém reclamou de que deveria ser na areia, pois ninguém iria atravessar a avenida para ir ao banheiro, mas e quem está a 300, 400 metros ou mais de distância o que vai fazer?

Será que esse é o primeiro de diversos banheirões a R$ 2.000,00 o metro quadrado?

Anônimo disse...

A localização do banheiro público na areia da praia do Laranjal é um absurdo. Deveriam utilizar as instalações antigas, onde eram os banheiros públicos e posteriormente se transformaram em bares e casas privadas, inclusive com direito a garangens.

Anônimo disse...

Poderia ter adquirido uma casa defronte à praia para transformá-la em banheiro público. Agora na beira da praia, como se não bastasse a lagoa ser destino do esgoto, a beira do calçadão tomada por bares e agora por banheiros!

Anônimo disse...

A localização do banheiro público na areia da praia do Laranjal é um absurdo. Deveriam utilizar as instalações antigas, onde eram os banheiros públicos e posteriormente se transformaram em bares e casas privadas, inclusive com direito a garangens.

Anônimo disse...

Não entendo porque tanta gente reclamando. No Rio de Janeiro os banheiros públicos são sobre as areias e nem por isso a população reclama como aqui. Isso tá parecendo campanha de algum morador que teve a vista da praia prejudicada pela obra.

Anônimo disse...

Ao Sr. das 20:02 - mesmo que as reclamações fossem resultado da campanha de algum morador diretamente projudicado ainda assim elas materiam a sua legitimidade. Uma curiosidade: voce não consegue imaginar outra situaçao que possibilite a construçao de banheiros publicos no Laranjal e a preservaçao da paisagem da Lagoa? Foram tantas as contribuiçoes dadas até agora pelos Amigos, que fico pensando qual é o seu objetivo com a insistencia de argumentos como no Rio tem... no Rio tem muito mais coisa que não presta, interessa trazer estas coisas para Pelotas também.

Anônimo disse...

O prefeito já poderia construir estes banheiros com lareira, garagem e floreiras já que os anteriores, que também foram construídos para serem banheiros, agora se transformaram em moradias permanentes, como o BAR DO PODEROSO e outros que nunca mais foram incomodados e moram sem pagar iptu com a varanda de frente para a lagoa...

Anônimo disse...

Porque o senhor prefeito não aproveita e retira os "moradores" dos bares que já ocupam o espaço (e que originariamente foram construídos para serem banheiros públicos) e os destina para a função a que foram criados.O que deverá acontecer é que os banheiros ficarão sem cuidados, abandonados e no futuro próximo serão outras "moradias" de espertos como o conhecido PODEROSO (que deve ser mesmo porque o prefeito nunca conseguiu tirá-lo da beira da lagoa). Falando nisto, como uma pessoa que passa a maior parte do ano com o bar fechado consegue manter esposa, filha, carro zero quilometro na garagem (na beira da lagoa)e passar tomando chimarrão na frente de casa? Será que tem outra renda além da ocupação do espaço público?? O PODEROSO explica aí...

Anônimo disse...

O mínimo que podemos esperar é que o Ministério Público embargue esta obra mesmo. E como disse o outro comentário, o quanto antes melhor porque menos dinheiro público irá ser posto fora e mais fácil será voltar a praia ao estado normal sem o monstro que está sendo construído de forma abusiva e sem noção.

Rafael disse...

Sobre a comparação Laranjal-Copacabana: os banheiros em Copacabana são no subsolo e não barram toda a perpectiva da bela vista natural. É claro, Copacabana é um ponto turístico internacionalmente reconhecido, e não é à toa. Evidentemente há uma preocupação paisagística em não colocar um BANHEIRO em primeiro plano, em frente à beleza natural do local. Já em Pelotas... Ora, cadê os arquitetos da prefeitura, cadê a noção de perspectiva? O banheiro bloqueia toda a vista do pontal do barro duro. O laranjal (meu bairro) é um lugar belo, e com potencial turístico sim. Mas, para isso, o mínimo que se exige é que as obras sejam bem pensadas, o que evidentemente não é o caso.

Anônimo disse...

Fora com o "PODEROSO" e outros donos da areia,e vamos construir mais banheiros alí.