Cadê a Oposição em Pelotas?

Post publicado em 5 de março de 2010.

Desde que assumiu a prefeitura, Fetter Jr. (PP) não teve oposição dos partidos políticos. Seria natural que a sofresse, vinda de dentro e fora da Câmara de Vereadores. Aliás, estes estão lá, entre outras coisas, para fiscalizar Executivo e Legislativo. Não me refiro à oposição destrutiva, mas construtiva: políticos que criticassem, debatessem, apontassem problemas, cobrassem soluções e posturas.

Você sabe qual a avaliação, por exemplo, do ex-prefeito e atual deputado federal Fernando Marroni (PT) sobre a administração da cidade que ele pretende governar se vencer em 2012? Sabe o que pensam da administração os nossos vereadores?

Não sabe, pois não há Oposição de fato em Pelotas.

Em geral os partidos não possuem visão estratégica da cidade. Se possuem, não a verbalizam. Por tabela, a imprensa não debate os conflitos e a sociedade não se enriquece com as discussões nem é motivada a ter voz. Fica cada um no seu quadrado, como diz a música.

A imprensa, em geral, também não parece muito interessada em detonar o processo de debate e de mobilização. Não como poderia.

Há Oposição no Congresso, em Brasília. Há Oposição nas Assembléias Legislativas e nas Câmaras de Vereadores que se levam a sério. Não em Pelotas...

Em Pelotas, a maioria dos vereadores não pratica o salutar hábito de ser Oposição; falo de oposição em torno de ideias, de programas de governo, sem moeda de troca por cargos.

Na prática, vão lá, representam um teatro, pegam o salário no fim do mês e fica tudo por isso mesmo. Vários, como se sabe, têm direito a cargos para parentes e cabos eleitorais na prefeitura, que deveriam fiscalizar. Como a renovação eleitoral da Casa tem sido pequena, a maioria parece mais que acomodada.

É lamentável, mas é assim.

Por isso não temos debates enriquecedores na Câmara, não temos grandes oradores. Se existem, escondem-se sob a conveniente fina educação, levando-a ao limite do absurdo, já que a natureza dos parlamentos e da política é o confronto e o enfrentamento das questões, rumo ao entendimento possível que beneficie da melhor maneira a sociedade.

Oposição em Pelotas, porém, só em época de eleição. E, de novo, costuma ser desqualificada, puro teatro. Será diferente em 2012?

Vários de nossos políticos exploram a pobreza e ignorância. Alguns são eleitos ao prestar, por conta própria, serviços que o Estado não cumpre como deveria. É como no Rio de Janeiro, só em escala menor. Se lá a ausência do Estado abre flancos para a máfia do jogo do bicho e os traficantes, em Pelotas atrai políticos de baixíssimo clero, concentrados na própria sobrevivência financeira.

Muitos não têm sequer profissão. Estamos vivendo um quadro triste - uma indigência brutal.

Se você reclamar perto deles, eles te olham parecendo pensar: "Deixa de ser chato, meu, a vida adulta é assim mesmo... uma farsa".

Parecemos sofrer de um pacto implícito de silêncio travestido de "boa educação", para que nada mude e evolua. Tudo o que os artífices desse pacto querem é que ninguém erga a voz para dizer que o rei está nu.

Se em 2012 a sociedade não acordar, se não surgirem novas lideranças preparadas e éticas, se a sociedade e a imprensa não vigiarem, aqueles serão eleitos de novo. Pelotas seguirá então, em matéria de políticos e de política, afora louváveis exceções, uma cidade de quinta.

- Amigos é eleito Melhor Blog de Notícias do Brasil em 2011
- Siga o Amigos de Pelotas no Twitter
- Siga o Amigos de Pelotas no Facebook
- Política de comentários

Um comentário:

Wanda Luz disse...

A Câmara de Vereadores parece um salão de chá de comadres. Há muito tempo que não existe oposição em Pelotas. Parece que um tapa os furos do outro.
Antigamente, alguns partidos costumavam fazer oposição e exerciam o seu papel político com mais afinco, fiscalizando as irregularidade.
Algo aconteceu nesse meio tempo...
Entretanto, estamos em ano eleitoral e não faltarão partidos discursando e levantando suas bandeiras pra dizer que fazem oposição e trabalham para defender os direitos da comunidade pelotense.
Porém, se isso fosse verdade, o Theatro Sete de Abril não estaria ruindo, os projetos de reconstrução do teatro não ficariam anos sendo elaborados por pessoas incapacitadas para tanto, os carnavais de Pelotas não teriam o festival de irregularidades e verbas que estão tendo, a cidade não estaria escura, suja abandonada...